Foco do Grêmio é reduzir folha de para evitar déficit financeiro

Grêmio sem centroavante: Ruim com, pior sem Diego Souza que saiu e pode parar no Vasco.

O Grêmio vai às compras ou empréstimos no mercado somente depois de encaminhar um enxugamento da folha de pagamento do futebol de R$ 14 milhões para R$ 7,5 milhões. Tudo porque o clube terá uma redução significativa de quase R$ 60 milhões nas receitas vindas da TV, dos sócios e de premiações das competições disputadas. Depois de chegar a um superávit de até R$ 38 milhões em 2020, o ano de 2021 será de R$ 7 milhões e a projeção para 22 é de R$ 300 mil. Os números foram apresentados na reunião do conselho desta

Além da Série B, o Grêmio estará fora da Libertadores e da Copa Sul-americana em 2022. É um ano de vacas magras nos cofres e em títulos significativos. A meta em campo é subir para a Série A sem comprometer as finanças.

O motivo maior de não renovar com Diego Souza, Rafinha e Cortês foi o custo-benefício destes jogadores para o calendário de 2022. O que poderiam entregar tecnicamente não valeria o custo. A venda encaminhada de Vanderson ao Brentford da Inglaterra poderá render até R$ 80 milhões, dependendo do desempenho do jogador no clube inglês. Mas no mínimo, R$ 60 milhões estão garantidos. A ideia é se desfazer de um dos jovens goleiros que são ótimos ativos. Brenno interessa o Palmeiras que já contratou o experiente Marcelo Lomba, ex-Inter e tem como titular aquele que considero o melhor do Brasil: Werverton. A propósito, o Grêmio deve buscar um goleiro mais experiente para até mesmo disputar a posição de titular.

Além do goleiro, o Grêmio busca dois laterais, um zagueiro, um volante de saída, um meia armador. Não há jogador inegociável desde que haja proposta, mas Ferreira, Campaz e Jhonata Robert devem compor a base do meio e ataque antes de um centroavante de área. No meio, Jean Pyerre, perdeu espaço após ter sido afastado antes do final da temporada e, se não for para o Alavés da Espanha, pode pintar ate mesmo por empréstimo em clubes na Série A do brasileiro. Douglas Costa pelo alto valor do salário de R$ 1,5 milhão também está fora dos planos. Também pelos episódios do casamento e do abano para torcida após o gol contra o Galo, dia do terceiro rebaixamento para a Série B.

Sem Diego Souza e provavelmente liberando Borja, Churin pode ficar, embora o técnico Vagner Mancini precise de outra opção para titular desta vaga. German Cano não interessa e deve ir para o futebol árabe. O meia Jean Carlos, destaque no Náutico, também foi descartado. Edilson, a princípio, também não volta para a lateral. Na zaga, faltam peças porque Kannemann se recupera de lesão e Geromel não terá fôlego para toda temporada de muitos jogos quarta e domingo. A missão é desafiadora. O ex-zagueiro Luiz Eduardo assumiu como técnico do Sub-19 e vai comandar o time na Copa São Paulo onde o time fará um vestibular de garotos que podem ser aproveitados no grupo principal. É muito mais fácil liberar jogadores que contratar. Até porque quando se repõe um jogador, nada garante que ele será melhor que aquele que saiu, ainda mais numa total mudança de perfil das competições com queda de patamar do Grêmio. É preciso tomar muito cuidado com excesso de dispensas. O time que encerrou o Brasileiro caiu, mas o aproveitamento foi bem melhor que do início da competição. Hoje, este time já não existe mais. É preciso muita habilidade dos homens do futebol liderados pelo vice Denis Abrahão em sintonia com Mancini.