Sylvinho demitido, Dupla Gre-Nal tímida, Marinho brilha na estreia do Fla de Paulo Souza

#FREEKICK 02 O susto de Mancini na Arena



Diego Souza marcou o segundo gol do Grêmio na vitória sobre o São José. Foto: Lucas Uebel/ GFPA

Parecia tudo tão tranquilo na estreia dos titulares do Grêmio na temporada de 2022 diante do São José, na Arena. Logo no início do jogo um belo gol de falta de Campaz. O jovem colombiano estava no papel do articulador, enquanto o jogador contratado para a função, o argentino Benitez, assistia no estádio ao lado da esposa porque seu nome não foi publicado a tempo no BID. Mas sem velocidade e pouca criatividade, numa atuação desastrosa de Diogo Barbosa, o São José chegou ao empate após o intervalo com um gol do zagueiro Bruno Jesus.

Mancini apostou em Campaz centralizado que fez o primeiro gol do Grêmio. Reprodução Sofa Score

Orejuela fez uma estreia sem comprometer, Jandeson ainda está desentrosado e o zagueiro Bruno Alves fez boa dupla com Geromel. Campaz foi um dos destaques e depois substituído por Rildo, mas quem acabou decidindo foi Ferreira, o novo camisa 10, na jogada do gol da vitória de Diego Souza. O técnico Vagner Mancini levou um susto e até se fechou no final para garantir a vitória por 2 a 1 de um começo morno. São nove jogos sem perder em sequência desde a derrota para o América Mineiro em 2021, no Brasileiro da queda, sete de Mancini tirando os dois do time de transição. Agora encara de novo em casa o candidato a rebaixamento Guarany de Bagé, demolido por um surto de Covid que rendeu uma goleda de 4 a 1 sofrida para o Brasil em Pelotas.




Inter roda o time com Dale e empata sem gols com São Luiz em Ijuí

O técnico Alexander Medina colocou um time reserva sem peças importantes como Cuesta, Edenilson, Taison, Wesley e David. D'alessandro foi de novo atração principalmente por estar se despedindo do futebol. Os laterias Heitor e Paulo Victor foram melhores que Moisés e Mercado que até jogou bem na zaga contra o São Luiz e deveriam brigar por uma vaga no time titular. O Inter criou mas também perdeu ótimas chances de marcar principalmente com Maurício. O time de Ijuí também ameaçou o gol de Keiller, que fez boas defesas. Foi um empate sufiente para deixar o Inter invicto na liderança do Gauchão só à frente do Grêmio pelo saldo de gols. O Juventude recebe o Novo Hamburgo nesta quinta e precisa se recuperas das duas derrotas sofridas até aqui. O Inter volta a jogar no sábado contra o Ypiranga e Erechim.



Aeroporco embalou embarque do Palmeiras para o Mundial

Aeroporco embala o Palmeiras e Fiel derruba Sylvinho


Foi um dia de festa e crise em São Paulo. O Palmeiras embarcou para Abu Dhabi para a disputa do Mundial de Clubes. A festa Aerporco foi bonita com uma multidão incentivando a delegação a caminho do aeroporto. Piquerez e Veron testaram positivo para Covid-19 e estão fora da competição, cuja estreia do Verdão será no próximo dia 8, às 13h30, contra o vencedor do duelo entre o Al-Ahly, do Egito, e o Monterrey, do México. Em contrapartida, no clássico disputado na Neo Química Arena, Sylvinho caiu após derrota de virada para o Santos. (Saiba Mais Aqui) Marinho marca gol na estreia e guarda camisa para o pai em vitória do Flamengo



A estreia de Marinho no Flamengo não poderia ser melhor. O atacante marcou o primeiro gol na vitória pelo Carioca sobre Boa Vista em Volta Redonda e ainda dedicou a vitória ao pai rubro-negro Zé Carlos, para quem guardou a camisa do jogo. Gabigol e Pedro completaram o placar por 3 a 0. Marinho foi o personagem, mas o destaque acabou sendo Vitinho com três assistências. O jogo também marcou a estreia do técnico português Paulo Souza que colocou um esquema com três zagueiros sem todos titulares como Gabigol, Arão e Everton Ribeiro que entraram depois. Um time rápido e objetivo que causou ótima impressão do novo mister. Ainda pelo Carioca, o Vasco venceu o Nova Iguaçu por 3 a 2 com dois gols do velho e bom Nenê.


Mineiro sem VAR tem vitória justa do América-MG no clássico contra o Cruzeiro

No Mineirão, com gols de Patrick e Alê, o América-MG tirou o embalo do Cruzeiro, que vinha de com vitórias no Mineiro, e venceu o clássico por 2 a 0. Sem VAR nesta fase, o Cruzeiro poderia ter melhor sorte no jogo porque dominava a partida quando teve um gol mal anulado de Edu, por impedimento. O Atlético-MG passou o trem no Uberlândia por 4 a 0 mesmo com time alternativo com gol do ex-América, Ademir. É cedo, mas é difícil o título escapar do poderoso Galo, nem que haja um Coelho da cartola ou uma raposa mais assanhada. Duvido.






Frase do Dia "O surf é como a máfia, uma vez dentro não há como voltar atrás." Kelly Slater surfista profissional, 11 vezes campeão do mundo de surf, que completa 50 anos no próximo dia 11 de fevereiro e está voando na primeira etapa do Mundial de surfe no Havaí, chegando às quartas-de-final. Dica de Jornalismo Esportivo #2 Quanto mais cedo melhor

Brasil sem Romário na final da Copa América de 1997

Na Copa América da Bolívia em 1997, fomos a La Paz para o jogo decisivo do Brasil contra a Bolívia. Eu trabalhava pela Rádio CBN de Florianópolis. Salles Junior narrava e eu na reportagem com o comentarista Fernando Linhares da Silva e o plantão Luiz Gonzaga nos estúdios em Floripa. Fui cedo num dos portões de acesso ao gramado e lá falei com um funcionário. Perguntei onde a gente podia entrar no gramado no final, caso o Brasil fosse campeão. O boliviano me disse. "Aqui mesmo comigo, saia por fora do estádio pelas arquibancadas e venha aqui, senão vai ficar trancado". O Brasil venceu por 3 a 1. Romário havia ficado de fora e Edmundo jogou a partida. Decidi ir onde o cara me falou antes do fim do jogo. E avisei o Salles: "vou levar o celular e saio do ar até o final. Vou para o Gramado." Quando chego na arquibancada, gol do Zé Roberto. Os bolivianos quietos e lá embaixo o portão da saída. Não tinha como passar no meio da multidão indignada.

Larguei um "permisso" para um deles, me borrando de medo. O cara era uma espécie de guia de uma criançada e deu um grito. Na hora, abriu um clarão. Lembrei daquela cena do Moisés abrindo as águas do Mar Vermelho. Era um milagre. Disparei, passei o portão e dei de cara com meu amigo boliviano. O portão aberto, termina o jogo, vejo o Zagallo falando: "Vocês vão ter que me engolir" para o Tino Marcos da Globo e o Osvaldo Pachoal da Band. Logo, chego no Roberto Carlos, eu ligo, entro no ar e ele chora.

Era a primeira conquista dele pela Seleção. Entrevistei todos jogadores. Narrei a entrega de medalhas. E comecei a perder o fôlego, afinal estava a 4100 metros de altitude. Era jovem e havia tomado uns dois copos de Mate de Coca, outra dica local. Ajudou bastante. Lá na arquibancada, onde o Salles narrava, todos narradores fazendo uma festa e um ainda foi tirar uma onda com o Salles que não estava falando porque eu registrava tudo do Gramado. "Ué, já saíram do ar?" O Salles disparou: "Não, é que estamos com o repórter no gramado, olha ele lá".

Nenhum repórter brasileiro conseguiu entrar porque ficaram presos onde o cara havia me alertado. Quando acessaram o campo, já haviam cercado tudo para entrega das medalhas e troféu. Foi quando me dei conta de que eu podia não estar no ar. Eu fui tocando direto pelo celular. Ai resolvi dar um tempo e checar com o comentarista que prontamente respondeu do Brasil. Ufa, eu dei um beijo naquele Nokia tijolão que funcionou maravilhosamente. Deu tudo certo porque fui cedo ao portão checar um estádio, que eu jamais havia imaginado ir na minha vida e de onde tenho uma lembrança para toda ela. Dedico esta lembrança ao colega e amigo que estava lá conosco pela Band de Poa, Jorge Estrada que hoje está numa altitude divida.