Um banho de atitude: Juventude 1 x 0 Fluminense


Pitta (centro) comemora o gol que deu a vitória do Juventude sobre o Fluminense. Foto: Fernando Alves/E.C.Juventude

Não havia condições de jogo no Estádio Alfredo Jaconi em função da chuva em Caxias do Sul. Erro da CBF e do delegado do jogo em permitir que a bola não rolasse entre Juventude x Fluminense, neste domingo (05/06) pela 9ª Rodada do campeonato Brasileiro. Mas não serve como desculpa pela derrota do Fluminense que até emitiu uma nota oficial alegando prejuízo e dando a entender que o Juventude só drenou o gramado após o 1 a 0. O gol foi contra de Luccas Claro no primeiro tempo que deixou o Juventude, temporariamente, fora do Z4. Foi um banho de atitude do Juventude que mereceu vencer o jogo, justamente porque o Fluminense não teve o mesmo espírito.

O Juventude também reconheceu as más condições do gramado, mas nem por isso deixou de se preparar do jeito que pôde. O técnico Eduardo Baptista colocou jogadores adequados para a situação e achou o gol em jogada do Pitta que foi lançado e logo após chutar, Luccas Claro acabou atrapalhado jogando nas redes. "Eu não fui chorar, o choro é livre. Não tem desculpa. Colocamos jogadores altos em campo e este é o mérito da vitória", disse Eduardo Baptista. Veja o trecho da coletiva do técnico do Juventude.

O técnico do Fluminense, Fernando Diniz, reclamou bastante das condições do gramado, mas não quis tirar o mérito do Juventude. "Única coisa que não teve foi futebol. Teve disputa e o Juventude teve mérito para ganhar o jogo e soube se adaptar melhor ao gramado", afirmou Diniz. Acompanhe o trecho da coletiva do técnico do Fluminense.

O Juventude não quis se manifestar a respeito da Nota Oficial do Fluminense que alega como "curioso" o fato dos funcionários do Juventude drenarem com rodos, somente após o 1 a 0. O gramado do Jaconi tem um ano e ainda não possuiu uma drenagem natural suficiente, nem um sistema de drenagem por máquinas capaz de ser ligado ou desligado. Então, é praxe que no intervalo os funcionários tentem tirar a água de uma forma mais "braçal". Não se justifica a alegação do Fluminense. Leia o conteúdo na Nota Oficial, assinada pelo presidente, Mario Bittencourt: "O ano é 2022. Debates grandiosos sobre criação de Liga, sobre modelos societários em clubes, mas nenhum esforço para que sejam modificados velhos hábitos do futebol brasileiro.

Inadmissível o árbitro de Juventude x Fluminense ter dado início a partida nas precárias condições do gramado, e, mais, ter dado seguimento após o aumento da chuva. Um desastre. Um verdadeiro desastre.

O mais “curioso” de tudo é que, somente após fazer 1 x 0 e de um primeiro tempo dentro d’agua, os funcionários do Juventude resolveram “drenar” o campo com rodos. Antes do jogo nada foi feito para amenizar as condições de disputa da partida.

Outros clubes já foram vítimas da mesma situação, que, aliás, só apequena o nosso futebol e mostra que estamos engatinhando no quesito profissionalismo e beleza do espetáculo como um todo.

Tanto Fluminense quanto Juventude tinham data livre e disponível para adiamento e remarcação do jogo, mas o que vimos foi um árbitro despreparado dar continuidade a uma partida dentro de uma piscina. Talvez ele possa e deva apitar esportes aquáticos. Futebol? Nitidamente não é o lugar onde deveria. Faltou bom senso.

Que a nova diretoria da CBF, visivelmente empenhada em atender aos novos rumos do futebol brasileiro, possa se manifestar e promover modificações nas regras que de maneira esdrúxula ainda permitem que se dispute um jogo de futebol nestas condições ridículas.

De sua parte, como sempre faz nos casos em que se sente prejudicado, o Fluminense irá à CBF durante a semana para encaminhamento das medidas administrativas necessárias.”