O futebol brasileiro precisa se reinventar


Chelsea que havia pedido para Corinthians desta vez bateu o Palmeiras e garantiu o título Mundial de Clubes

Faltou qualidade para o Palmeiras


Ficou claro que o Palmeiras fez o que pôde e até poderia ter sido uma zebra na final o Mundial e bater mais um poderoso clube europeu. Só que deu Chelsea 2 a 1 na prorrogação. A verdade é que estamos muito distantes dos clubes da Inglaterra, Espanha, Itália e Alemanha e até mesmo alguns clubes líderes de outros países europeus. Mas nossos jogadores são os mesmos em qualidade, tanto que Thiago Silva foi o craque do Mundial e Jorginho, naturalizado italiano não pode estar na Seleção Brasileira, e é uma das estrelas do time inglês. O Palmeiras perdeu muito quando saíram Dudu e principalmente Raphael Veiga. O técnico Abel Ferreira conseguiu um heróico empate por 1 a 1 até a prorrogação quando o time se encolheu ao natural. Dudu e Veiga são jogadores comuns no cenário europeu. Veiga ainda tem potencial, embora haja centenas de jogadores melhores que ele e precisaria de pelo menos algumas convocações pela Seleção para poder entrar num outro patamar como jogador. Palmeiras chegou ao topo do possível e não repetiu o vexame do quarto lugar de 2021.


Atlético-MG, Flamengo, Palmeiras no caminho

Pelo menos três grandes clubes estão no caminho de uma qualificação do futebol acima da média brasileira e sul-americana. Estamos quase para um cenário semelhante a Real Madrid, Barcelona e Atlético de Madrid. Dificilmente, as grandes disputas do Brasil e da América do Sul vão ficar distantes destes três clubes nos próximos anos. Vira e mexe, algum outro grande clube brasileiro ou gestões bem equilibradas podem, digamos, beliscar uma final, um título. Me refiro, por exemplo, ao Corinthians por seu potencial de torcida e mercado, o Athletico Paranaense por tudo que tem feito nos últimos anos e o Red Bull Bragantino pelo modelo de investimento com resultados significativos.



SAF, CBF e Ligas na rota do nosso crescimento


É preciso ter gestões equilibradas independente do modelo. Cresce a tendência para o modelo de SAF, clubes Sociedade Anônimas com aporte financeiro bem alto, como se viu no Cruzeiro com Ronaldo Nazário e o Botafogo com John Textor. Em cinco ou até dez anos, poderemos avaliar se houve sustentabilidade nos projetos do Galo, Flamengo e Palmeiras e se outros projetos de SAF poderão elevar o patamar econômico. Sem dinheiro, o futebol brasileiro não terá como ter um clube capaz de bater os gigantes europeus. E olhem como os clubes árabes com o aporte do petróleo estão em crescimento seja da Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos. O que falta a eles é tradição de grandes competições sejam nacionais ou continentais.

A Libertadores é um trunfo da América do Sul, embora tenha caído bastante de qualidade nos últimos anos. México, Estados Unidos, Japão e China também têm projetos de evolução de seus clubes. Cada um do seu jeito, mas com muito dinheiro. Nosso problema é não ter uma liga forte. Os clubes são separatistas e a CBF reina no Brasileirão e Copa do Brasil e os fracassados estaduais. Deveria cuidar só da Seleção Brasileira. Já houve um movimento do Clube dos 13, a tal da Liga Sul, mas nada vingou. Pior para os clubes de grandes torcidas que hoje não têm tanto poder econômico como a dupla Gre-Nal, Cruzeiro, Fluminense, Botafogo e Vasco, São Paulo, Santos e Corinthians.


DICA DE JORNALISMO ESPORTIVO


A dica de hoje é o livro do jornalista André Ribeiro, Os Donos Do Espetáculo.

Recheado de casos, histórias e depoimentos de mitos da comunicação e de lendas dos gramados, esta pesquisa aborda mais de cem anos da imprensa futebolística no Brasil. André Ribeiro é jornalista e, desde 1978, produtor de televisão. Em São Paulo, onde mora, trabalhou nas extintas TV Tupi e TV Manchete, e foi produtor executivo dos programas Vitória, Cartão verde e Grandes momentos do esporte, na TV Cultura. Atualmente, com sua própria empresa, a GRM Texto e Imagem, produz publicações e documentários. É autor das conceituadas biografias Diamante eterno − biografia de Leônidas da Silva e Fio de esperança − biografia de Telê Santana. O livro está disponível na loja da Amazon.













FRASE DO DIA

Talento depende de inspiração, mas o esforço depende de cada um. Pepe Guardiola, técnico do Manchester City